Algodão colorido orgânico e sustentável estreia na Semana de Moda de Milão

sustainable_fashion_organic_cotton

A marca de moda sustentável Natural Cotton Color estreia em passarela internacional durante a Milan Fashion Week que acontece de 21 a 27 de setembro, em Milão, na Itália. A realização é da Brasil Eco Fashion – BEFW em parceria com a Fashion Vibes, de Milão.

A coleção Ipês do Brasil: do Cerrado ao Sertão reúne 16 looks, entre eles, 12 femininos e quatro masculinos. As peças foram criadas por Francisca Vieira, CEO da marca, e pelo consultor e designer Rafael Lemos, com modelagem desenvolvida por Raquel Grassi.
O desfile que faz parte da programação BEFW será no dia 25 de setembro, as 18 horas, no Orto Botanico di Brera, em Milão, na Itália.

vestido_algodao_organico_renda_bordado

Vestido em tecido plano de algodão colorido orgânico com renda renascença produzida por artesãs do Cariri Paraibano.

Além do trabalho artesanal com rendas e bordados, a coleção se destaca pela inovação e variedade de tecidos com base na mesma fibra natural como o Denim 100% orgânico que possui cor, mas sem nenhum tipo de tingimento; o jacquard de algodão com seda e tecidos desenvolvidos com fios que fundem o algodão com resíduos de seda e de linho.

Blaser algodao organico e seda

Blaser de moletinho com lapela de seda. T-shirt em malha e calça em Denim. Tudo feito com o algodão orgânico que já nasce colorido. Sapatos feitos em parceria com Plantae.

“O design surpreende com clássicos masculinos reinventados, como o terno produzidos em moletinho de algodão com seda. Tem também o smoking que deixa de ser black tie para se apresentar marrom, cor natural do algodão colorido orgânico”, revela Francisca.

algodao_colorido_organico_verde

Denim em algodão colorido verde. Cor natural, sem tingimentos

O objetivo do desfile é posicionar a Natural Cotton Color no mercado internacional

Para Rafael Morais, diretor executivo do BEFW, “trata-se de nutrir o crescente interesse global por moda ética e sustentável. Por isso, garantimos a oportunidade de apresentar desfiles de algumas marcas em Milão, reafirmando o Brasil como referência neste segmento da indústria da moda”, esclarece.

Para Yulia Palchykova, diretora do Fashion Vibes e realizadora da mostra BEFW em Milão, a moda brasileira chama a atenção do mercado mais atento à sustentabilidade em oposição ao fast fashion. “O Brasil é rico em matérias-primas, mas também em criatividade baseada na diversidade cultural. Nosso objetivo é evidenciar o desenvolvimento nesta direção, promovendo designers que valorizam em suas coleções as suas raízes, a sua cultura”, disse.

vestido_bordado_algodao_organico

Vestido em godet duplo com renda renascença incrustrada sobre o tecido. Sandálias produzidos por In-soul com material da Rato Design Circular

Sustentabilidade na moda: arranjos produtivos locais

algodao_colorido_organico_paraiba

O algodão nasce com cores que vão do bege ao marrom e tem certificação internacional de produto orgânico.

A Natural Cotton Color produz moda com base no algodão colorido com certificado internacional de produto orgânico. A matéria-prima é cultivada com contrato de compra garantida por meio da agricultura familiar em assentamentos rurais e comunidades tradicionais (quilombos). O preço pago por quilo é o maior do Brasil.

A espécie já nasce em tons de bege, marrom e verde — sem uso de aditivos ou corantes. Por não ter cultura irrigada, nem passar por tingimentos, o processo produtivo do campo até indústria economiza 87,5% de água, de acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, desenvolvedora da semente. A marca tem como identidade a inserção do trabalho artesanal com inovações no design para maior produtividade.

moda sustentavel algodão colorido orgânico

Macacão em algodão colorido orgânico verde. Cor natural, sem tingimentos. Vestido em algodão colorido orgânico com bordados elaborados no arranjo produtivo Moda Connect em Brasília. Sapatos Plantae. Sandálias In-soul com material da Rato Design Circular.

Na coleção Ipês do Brasil: do Cerrado ao Sertão foram envolvidos dois arranjos produtivos: os bordados foram produzidos pelas artesãos de Brasília no projeto Moda Connect e as rendas e crochês pela Associação das Rendeiras de Renda Renascença do Cariri Paraibano – Renasci.

As ações da Natural Cotton Color estão alinhadas a vários dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS 2030 da Organização das Nações Unidas, a saber:

  • Objetivo 2 – Promover a agricultura sustentável
  • Objetivo 8 – Trabalho decente e crescimento econômico
  • Objetivo 9 – Promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação
  • Objetivo 12 – Garantir padrões de produção e consumo sustentáveis, entre outros

Parcerias para a coleção e desfile Natural Cotton Color

O desfile da Natural Cotton Color em Milão conta com o apoio do Centro de Tecnologia Têxtil do Senai da Paraíba por meio da consultoria do designer Rafael Lemos. A inovação artesanal teve desenvolvimento e capacitação realizados com apoio do Sebrae Paraíba. As peças do desfile foram produzidas com tecidos feitos em parceria com as indústrias têxteis Ecosimple e Unitextil.

algodao_organico_bolsa_makano

Blazer em Jaquard com lapela em seda, colete em renda renascença e guipir, bolsa Makano, sandálias produzidas por In-soul com material da Rato Design Circular.

Os looks serão apresentados com bolsas da Makano e calçados femininos In-soul Shoes, produzidos com matéria-prima da Rato Design Circular (@ratoroi) com desenhos de Flavia Vanelli. Os calçados masculinos foram fabricados pela Plantae.

A escolha da “modelo de prova” para o evento em Milão também seguiu princípios sociais ao escolher Luana Silva, moradora no centro histórico de João Pessoa na comunidade do Varadouro, onde fica a sede da Natural Cotton Color. Luana é uma jovem talento descoberta por Francisca Vieira.

vestido de renda natural cotton color

A modelo Luana Silva usa vestido de renda renascença produzida no Cariri Paraibano

Trilha sonora do desfile: Jackson do Pandeiro

A Natural Cotton Color reforça a identidade da marca reproduzindo no desfile a música mais popular de um ícone da Paraíba e do Brasil: Jackson do Pandeiro. Conhecido como “O rei do ritmo” o cantor, compositor e multi-instrumentalista reflete na música “Chiclete com banana” uma preocupação em manter o samba brasileiro puro, livre da influência de ritmos estrangeiros:

“Eu só boto Bebop no meu samba
Quando o Tio Sam tocar num tamborim
Quando ele pegar no pandeiro e na zabumba
Quando ele aprender que o samba não é rumba
Aí eu vou misturar Miami com Copacabana
Chiclete eu misturo com banana
E o meu samba vai ficar assim
Tururururururi bop-bebop-bebop
Olha aí, o samba-rock, meu irmão
mas em compensação eu quero ver um boogie-woogie de pandeiro e violão
Eu quero ver o Tio Sam de frigideira numa batucada brasileira.

Fotos no Forte de Santa Catarina em Cabedelo – Grande João Pessoa – PB

Veja outras fotos da coleção no Flickr

RelatedPost

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.